quinta-feira, 24 de maio de 2012

ossos do ofício


 
Nesta altura do ano já programei peças para o outono, nas quais estou a trabalhar desde março. A sensação é sempre boa quando pensamos que temos tudo controlado, só que este efeito dura tão pouco tempo.

Ao longo dos anos em que tenho trabalhado neste projeto, aprendi desde cedo que fazer e gerir é uma tarefa bem difícil, só se consegue assumindo as falhas, perceber onde é que correu mal e viver bem com isso tudo. Ao olhar para trás, posso afirmar que o primeiro ano desta aventura foi praticamente só erros.
Não pensem que se controla tudo, porque não se controla mesmo, vão ficando coisas por fazer e por todo o lado, até hoje. Umas por esquecimento outras por opção. Mas desistir disto não é solução, arranjo sempre coragem para tentar fazer de outra maneira e recomeçar vezes sem conta e nunca achar que é uma perda de tempo. Por isso sinto tantas vezes que ainda vou a meio da viagem.

Isto não é exemplo para ninguém, mas no início cheguei a dar comigo a fazer alguns impossíveis para dali a uns dias e milagres para a semana seguinte. No início é difícil não aceitar fazer, mas quando temos bagagem a melhor opção é mesmo não fazer em alguns momentos, porque não podemos deixar de ser fiéis a nós próprios, um trabalho feito à mão se for feito à pressa não sai bem e não parece nosso.

Apesar de nos últimos meses tentar esticar alguns dias e de no fim não ter cumprido o que tinha programado na semana anterior, não fico zangada com o que não funcionou porque tenho a certeza que melhoro de ano para ano.

………

Sugestão para o fim de semana :-)
No próximo sábado a Margarida abre o atelier. Uma boa oportunidade para conhecer as peças da Margapinta® ao vivo e a sua criadora.

3 comentários:

Corto Metraje disse...

I love to see the work places... ^_^

Sónia Nunes disse...

Pois, não é fácil não!

Penso que o caminho é mesmo seguir em frente com a certeza de que para a próxima se faz melhor.

Bel disse...

Lindos seus trabalhos e textos. Fã de Carteirinha. Beijos