domingo, 29 de julho de 2012

simplificar




O conceito deste jogo de encaixe é tão simples e permite fazer muitas construções, já para não falar do espetacular efeito visual criado pelos diferentes padrões todos juntos.
Como mãe, reune os principais requisitos: criativo, leve, ecológico, bonito e ocupa pouco espaço (não parece pois não?!). O jogo não é muito conhecido e vale a pena saberem que existe. Pertence à kidsonroof e veio da Quer, de onde queríamos tudo.

É um alívio vê-la começar a interessar-se cada vez mais por opções lúdicas que ocupem pouco espaço, como um simples baralho de cartas. Assusto-me com um quarto cheio de brinquedos, bloqueia-me. Muitos deles nunca terão importância nenhuma no seu crescimento, aquilo a que também chamo cangalhada e a minha vontade é atirar fora, é que depois de entrarem são mesmo difíceis de saírem.
Pedimos para não oferecerem presentes fora das datas importantes, não pela falta de espaço, mas sim, por uma questão de educação e valores, mas algures no tempo, confesso que perdemos o controlo do vem do exterior.
Ainda assim, orgulhosamente podemos dizer que até agora conseguimos impedir a entrada de uma playstation e coisas do género. Ultimamente, vou tendo a sensação de que a fasquia do tipo de presentes, na generalidade, tem vindo a aumentar e há objetos e brinquedos de «nova geração» que já parecem ser quase obrigatórios ter, tanto para crianças como para adultos, custem o que custarem.

1 comentário:

koklikô disse...

Subscrevo completamente o que escreveste, tenho duas filhas ( uma de 7 anos e outra de 22 meses) e de facto é avassalador ver a quantidade de brinquedos com que os nossos filhos são aliciados, tornando-se díficil impedir que muitos entrem cá em casa , às vezes parece que querem as coisas só porque sim e às vezes cansa remar contra a maré ...