quarta-feira, 12 de setembro de 2012

final feliz





Pensámos que tínhamos salvo a planta da lagarta e a lagarta dos pardais. Semanas mais tarde é que nos apercebemos que existiam mais quatro a mastigar desalmadamente. Como nunca tínhamos visto uma assim, arranjámos-lhe um modesto habitat na caixa dos caracóis ao ar livre.
No dia da famosa lua azul e sem estarmos à espera saiu do casulo, e antes de ir à sua vida poisou no meu braço alguns minutos para a despedida. Valeu a pena!
Ainda temos um casulo na caixa à espera de mais um final feliz, entretanto uma das lagartas subiu a parede e instalou-se presa por um fio no último dia antes das sairmos para férias, quando regressámos já tinha partido e a planta já estava cheia de folhagem nova.

Pela pesquisa no google fui dar à «borboleta cauda-de-andorinha», será? Se alguém conhece, conte-nos mais qualquer coisa, gostariamos de saber como é que veio parar à nossa casa.




………

Naquele dia estava tão furiosa que deixei as férias para trás juntamente com estas fotografias. Não pude ficar indiferente porque a minha voz também conta. Continuo furiosa, mais do que antes, mas não vale a pena continuar a escrever sobre a fúria que esta desgovernação me provoca, pelo menos por agora, o que interessa mesmo é agir e incomodar "ao vivo". Mas quando temos um blogue temos mesmo vontade de gritar como a Débora.

3 comentários:

Menina Rabina disse...

Lindas as lagartas!!! Mas as borboletas ainda mais!!! Nunca tinha visto!!! E a despedida... que engraçados são os bichinhos, não é?
Ainda bem que ainda há finais felizes :)

Apetece realmente gritar ;)

Sílvia disse...

sim são essas mesmo.
cresci a vê-las "regressarem" todos os anos à mesma planta que a minha mãe tinha no jardim - a arruda.
sei que é a planta de eleição delas e que, devido aos seus níveis de toxicidade tornam a própria borboleta que se alimenta delas venenosa...(embora não entenda bem o conceito de venenoso num bicho como este...acho que será venenoso para os pássaros que não resistirem às suas cores.

Vera João Espinha disse...

Obrigada pela confirmação Sílvia, e é mesmo uma arruda. Fiquei mesmo admirada dos pardais não as comerem.