quarta-feira, 31 de outubro de 2012

Lanzodependente



Não vou entrar, mas entro. Não quero trazer, mas trago.

terça-feira, 30 de outubro de 2012

A vassoura já está à porta, amanhã a bruxa sai. Uma mãe não pode dizer não a tudo.

domingo, 28 de outubro de 2012

sábado, 27 de outubro de 2012

perder tempo

Hoje perdi tempo a ouvir o «nosso» primeiro ministro nas Jornadas Parlamentares, e digo que perdi, porque cheguei a um ponto em que já não acredito em nenhuma palavra do que discursa, nem no improviso que para mim estava demasiado estudado. Espontâneo? Aonde? As palavras são sempre as mesmas, e deixaram de fazer sentido para quem já nem o consegue ouvir, nem sequer olhar para a cara dele, ou para qualquer ministro do seu clã. Que desapontamento. E ainda se batem palmas.

sexta-feira, 26 de outubro de 2012


  Hoje de manhã, vimos o arco-íris perfeito.

VAAVAAV - vermelho . alaranjado . amarelo . verde . azul . anil . violeta - como a miúda me ensinou.


instagram © Maria João Palma 


terça-feira, 23 de outubro de 2012



Vejo tão pouca, ou quase nenhuma televisão. A partir do momento em que podemos gravar o que queremos para ver só quando nos apetece, e em que quase tudo está disponível online, desvinculei-me da televisão. Mas tenho acompanhado a série documental momentos de mudança, e ontem, a história da Alexandra, ou melhor, a força, a coragem e o brilho desta valente miúda de 19 anos, tiraram-me o sono.

«Cresci com a doença e com o preconceito, vivi quase tudo o que uma criança não deve viver. Na escola fui impedida de brincar com os outros meninos. Chamaram-me “sidosa”. Fui uma adolescente insuportável porque para além de todas as dúvidas que surgem nessa altura eu tinha ainda a revolta de ser portadora de HIV.» 

(Desculpem-me a publicidade «infiltrada.»)

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

♥ medalhas



Encontrei-as num saco com outras tralhas… feitas a partir de collants velhos.

domingo, 21 de outubro de 2012

:-)


 
 Lykke Li & Bon Iver  |  Dance Dance Dance

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

cinco anos depois

O conteúdo deste post vem a propósito de outro muito anterior. Ando a organizar as fotografias, e ao consultar as datas no blogue achei que faria sentido escrever novamente sobre o tema passado 5 anos. Vou apenas focar-me em alguns pontos, para daqui a mais 5 anos ter as minhas próprias referências.

Cá em casa, continuamos a fazer a separação do lixo. Continuamos a reciclar papel, tal como fazíamos, talvez até um pouco mais se formos contar com os invólucros de cartão dos iogurtes como exemplo. Infelizmente, a maior parte das marcas impõem-nos isso, e é raro o local em que podemos comprar à unidade.

Costumava ir quase todas as semanas à praça, mas nos últimos anos optei mais pelo comércio local, perco menos tempo (tão útil e não se recicla), e cheguei à conclusão que comprando diariamente ou semanalmente o que é necessário economiza-se mais, não somos seduzidos por packs que depois passam a validade na despensa e enchem-nos o caixote. Quando digo isto há quem pense que vou todos os dias ao supermercado, mas não vou, compro o que vou precisando na mercearia, no talho, na padaria de bairro, etc. Além de ajudar o comércio tradicional simplifica o meu dia a dia. Tento trazer produtos de origem portuguesa, além de ajudar produtores do meu país, poupa-se no consumo dos transportes e há menos poluição.
Outro dia passei pelo Pingo Doce, e ao procurar fruta nacional apenas encontrei uma qualidade de maçã, pêras e morangos (?) de origem portuguesa, mas não podia trazer apenas a quantidade que precisava, estavam já embalados em sacos e caixas plásticas. A fruta importada dominava os expositores, deviam era ter vergonha.
Passámos a produzir algumas ervas aromáticas para consumo próprio, quando as comprava, vinham envolvidas em plásticos e apodreciam rapidamente no frigorífico. Cortado na hora, sabe bem melhor!

Utilizamos cada vez menos sacos plásticos, e continuo a não perceber porque razão não se pagam os sacos, não era suposto isso ter acontecido durante os últimos anos?
Continuamos a usar os guardanapos de pano. Utilizamos panos de cozinha para secar as mãos ou limpar alguma coisa, é raro utilizar o rolo das toalhas de papel. Continuo a usar os tapperwares para congelar os alimentos ou transportar os lanches, reduzo a necessidade do papel de alumínio e abomino por completo a película aderente.
À medida que nos vamos preocupando com as embalagens dos produtos que compramos, vamos pensando nas soluções que poderiam reduzir o volume do lixo, e uma delas são as recargas para os champôs. A marca que fizer isso passará a ter-me como cliente. Já agora, porque razão a pasta dentífrica tem duas embalagens? Só a bisnaga de plástico seria suficiente.

Em algumas noites de verão, infelizmente, começámos a utilizar as «pastilhas azuis» anti-melgas porque a miúda faz alergia às picadas e tento evitar os medicamentos. Chegámos a comprar na farmácia dispositivos ecológicos anti-melgas que não resultaram (supostamente durariam para sempre, dizia a publicidade).

Temos um tarifário bi-horário desde que viemos para a nossa casa e tentamos nesse período colocar as máquinas da roupa e loiça a funcionar. Espero que não se lembrem de acabar com esta modalidade.

No banho, continuo a não desligar a água do chuveiro :-( — a minha filha fez isso por iniciativa própria mas eu não consegui seguir-lhe o exemplo – mas recolhemos a água para um balde antes de chegar a quente (quase 5 litros de cada vez que alguém toma banho, e somos três!). Aproveitamos para regar as plantas lá fora ou substituir a descarga do autoclismo. Continuamos a usar sabonetes, mais ecológico, mais saudável e menos embalagem. Para mim o «gel duche» é mais negócio da china.
Fora o caso do banho, falho noutra coisa… esqueço-me muitas vezes das luzes acesas. Preciso de me lembrar mais vezes dos ursos polares!

Durante a vida deste blogue tenho partilhado exemplos de aproveitamento de «lixo», nas embalagens que envio pelo correio, e em brincadeiras com a minha filha.
Para ilustrar o post escolhi a gaveta das «montagens grossas» da miúda, desperdícios que apesar de não terem haver uns com os outros, dão resultados surpreendentes. Cada criança devia ter uma gaveta destas à disposição e não custa nada, acrescentem-lhe apenas uma tesoura e cola. Um modo fácil de os sensibilizar para o aproveitamento de desperdícios. Por experiência própria, posso dizer-vos que resulta, e abre os horizontes da criatividade.

Daqui a 5 anos espero conseguir acrescentar outros bons hábitos. Não precisamos de ser radicais, precisamos apenas de fazer o que está ao nosso alcance na vida diária, irrita-me muito os que ainda não fazem o mínimo esforço.
Não faço ideia se em 2007 o Blog Action Day trouxe algo de novo aos hábitos de quem leu os blogues que participaram, pensar em grupo dá-nos a ideia de que a mensagem propaga-se e torna-se mais forte, mas essa mensagem só tem verdadeiramente impacto no mundo se cada um conseguir e tiver realmente vontade de a concretizar individualmente.

E maçar as pessoas de vez em quando, com um post assim, também não faz mal nenhum :-)

quarta-feira, 17 de outubro de 2012

em dias de chuva



Um destes ficava-me tão bem.

terça-feira, 16 de outubro de 2012

rama



Começo a mostrar algumas peças de inverno. Irei voltar às ramas, às pinhas e às golas de tricot.

No meu blogue já está frio, mas no blogue da Rita está um lindo dia de praia, já viram os cenários do país dos ó-ós? São lindos!

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

«We think too much and feel too little»

 


Charlie Chaplin – discurso incluído no filme O Grande Ditador (1940) que refletia os seus próprios pontos de vista sobre a situação política em 1939.

domingo, 14 de outubro de 2012

:-)


Obrigada por ter deitado no lixo. Era para mim, não era?

sexta-feira, 12 de outubro de 2012

peça única




Estava fora dos meus planos fazer uma peça nova, mas depois de várias semanas a trabalhar só com as lãs precisei de fazer qualquer coisa que nada estivesse relacionado com o que estou a fazer agora. Lembrei-me de utilizar as lantejoulas, porque ando já há várias semanas a arquivar todas as fotografias e estive a recordar as flores de inverno, que nunca mais fiz.

Por enquanto, esta peça é única e sem futuro.

………

Tem-me dado muito trabalho arquivar todas as imagens e datá-las com a ajuda do blogue, mas é inspirador revisitar o que já fiz. Hoje li este post (estava completamente esquecido!), alguém se lembra do blog action day? Acho que passado 5 anos está na hora de escrever outro sobre o mesmo tema, sobre o que consegui manter ou melhorar, e naquilo em que andei para trás. Alguém mais, tem coragem para alinhar?

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

wip

Com estas lãs nunca sei ao certo o que me sai na «rifa». Só no final do novelo é que posso combinar os ramos e ver quais as peças que consigo fazer. É um excelente quebra-cabeças.

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

ui




Episódio extra… é hoje que isto não vai correr bem.

«(…) please smile»

Episódios anteriores       

terça-feira, 9 de outubro de 2012




«— Ó mãe, porque é que os teus hambúrgueres são sempre piores do que os da escola?»

Levantei-me e fui gargalhar.

segunda-feira, 8 de outubro de 2012



JP Simões  |  Lenda do homem pássaro

domingo, 7 de outubro de 2012

momento naftalina II




Continuo a revisitar e a organizar fotografias de trabalho. Nem acredito que ganhei coragem para o fazer e já consegui apagar mais de 300. Para publicar uma chego a tirar dez… Isto custa mais que organizar os roupeiros cá de casa, acreditem.

sábado, 6 de outubro de 2012

momento naftalina



Isto é o que dá, organizar fotografias de 7 anos de trabalho. Ver peças que já não faço e fotografias que já não tiro. Para mim chega a ser delicioso, ver o que ficou para trás e o que já consegui fazer para a frente, sem vergonhas.

Ultimamente tenho sido leitora do meu próprio blogue, há posts que já não me lembrava, e outros que bem que me apetecia apagar, mas tudo faz parte, falhas e sucessos. Se não tivesse o blogue não iria agora conseguir arquivar tantas imagens, organizar datas e locais, a memória falha mesmo e o «foi há 3 anos» afinal «foi há 5». Digam o que disserem, ter um blogue dá muito jeito.

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

tempestades







Para quem aprecia como eu, uma boa trovoada.

Epic Storms via NG, mais imagens no site do próprio fotógrafo Mitch Dobrowner.

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

terça-feira, 2 de outubro de 2012

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

objectos naturais





Adoro este livro. Caiu-me nas mãos há muitos anos por «distração» e não o larguei. Gosto de pensar que estava à minha espera. Obrigada Patrícia ;-)

Peguei nele este fim de semana (porque estava fora do sítio) e apercebi-me que era deste impulso que precisava para recomeçar o meu registo sobre os objectos naturais. Apesar de o fazer aqui esporadicamente, prefiro que tenha um espaço próprio.

………

Livro: Garnd Herbier D'Ombres, de Lourdes Castro, edição da Assírio e Alvim.